Combate as alergias | Saúde

Rate this post

Combate as alergias

Segundo dados da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SEAIC), um em cada cinco espanhóis sofre de alergias. O motivo de seus espirros é muito simples: o seu sistema imunitário se depara com uma substância inócua (o pólen, por exemplo), a classifica erroneamente como uma ameaça… e lança um contra-ataque desmedido em forma de muco e coceira, entre outros.

TODA A CULPA É DO MALDITO PÓLEN: O FALSO!

O certo é que o polvilho primavera mais odiado é apenas o responsável por 31,5% das alergias.

O QUE VOCÊ PODE FAZER

Se o pólen se mata, tenta passar o menor tempo possível fora de casa, entre maio e junho. Durante esses meses polinizam as gramíneas, os polenes mais alérgenos e de maior distribuição no nosso país. Claro que o problema é que, na costa mediterrânea da zona de perigo se estende desde março até novembro. Para não falar de outros pólens cada vez mais presentes, como o da banana sombra, que sujam o ambiente entre março e abril.

O resultado desta polinização quase perpétua? “É Cada vez maior o número de pacientes que são alérgicos a vários pólens, apresentando sintomas quase perenes”, afirma o doutor Francisco Feio Brito, coordenador do Comitê de Aerobiología da SEAIC. Felizmente, a solução está em suas mãos. Faça caso do conselho de Feio Brito: “É muito importante seguir o tratamento de manutenção até que se complete a polinização das plantas em que o paciente é alérgico”

Segundo dados da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SEAIC), um em cada cinco espanhóis sofre de alergias. O motivo de seus espirros é muito simples: o seu sistema imunitário se depara com uma substância inócua (o pólen, por exemplo), a classifica erroneamente como uma ameaça… e lança um contra-ataque desmedido em forma de muco e coceira, entre outros.

TODA A CULPA É DO MALDITO PÓLEN: O FALSO!

O certo é que o polvilho primavera mais odiado é apenas o responsável por 31,5% das alergias.

O QUE VOCÊ PODE FAZER

Se o pólen se mata, tenta passar o menor tempo possível fora de casa, entre maio e junho. Durante esses meses polinizam as gramíneas, os polenes mais alérgenos e de maior distribuição no nosso país. Claro que o problema é que, na costa mediterrânea da zona de perigo se estende desde março até novembro. Para não falar de outros pólens cada vez mais presentes, como o da banana sombra, que sujam o ambiente entre março e abril.

O resultado desta polinização quase perpétua? “É Cada vez maior o número de pacientes que são alérgicos a vários pólens, apresentando sintomas quase perenes”, afirma o doutor Francisco Feio Brito, coordenador do Comitê de Aerobiología da SEAIC. Felizmente, a solução está em suas mãos. Faça caso do conselho de Feio Brito: “É muito importante seguir o tratamento de manutenção até que se complete a polinização das plantas em que o paciente é alérgico”

HÁ MAIS ALERGIAS POR NOSSA OBSESSÃO POR LIMPEZA: O VERDADEIRO!!!!… E FALSO!

O nosso sistema imunológico está preparado para atacar violentamente a vírus e bactérias, mas, nos últimos anos, a nossa obsessão por limpeza e a nossa preferência por antibióticos lhe foi tirado muito trabalho de cima, produzindo um inesperado efeito colateral.

O QUE VOCÊ PODE FAZER

Não faz falta que a partir de agora fuja do chuveiro como a peste… Simplesmente, a próxima vez que o seu médico lhe prescrever um antibiótico, pergunte se é absolutamente necessário. Se o seu sistema imunitário é forçado a empregar a fundo contra os invasores, pode ser que com o tempo comece a prestar menos atenção aos alérgenos. Outro truque: come mais alimentos com fermentos, como o chucrute ou o kefir. Estão carregados de bactérias benéficas que potenciarão o seu sistema imunitário.

VOCÊ É ALÉRGICO E NÃO O SABES?: O VERDADEIRO!!!!

Nariz entupido, muco, olhos vermelhos… Os sintomas da rinite se parecem tanto com os do resfriado comum que, muitas vezes, acabamos confundindo uma alergia com um simples constipado. O problema, amigo, é que o frio não vai predisponerte a sofrer de sinusite, infecções do ouvido médio ou até mesmo asma e de alergias não tratadas, sim.

O QUE VOCÊ PODE FAZER

Tomar boa nota da receita do doutor José Manuel Barceló para descobrir de uma vez por todas que seu nariz está acontecendo em seu nariz:

Constipação

Alergia

Antecedentes alérgicos

Não frequentes

Frequentes

Outras alergias associadas

Não frequentes

Frequentes

Duração

Não mais de uma semana

Semanas ou meses

Apresentação

Pouco a pouco

Bruscamente

Febre

Pode produzi-la

Muito raro

Muco

Mais espesso e amarelo-esverdeado

Mais líquido e claro

PÕE-TE À PROVA

Você deve visitar o alergistas?

Sim, sempre que tiver sintomas de asma, rinite, conjuntivite, dermatite atópica, urticária, edema ou inchaço, sintomas digestivos de dor, vómitos ou diarreia, ou reações com alimentos, medicamentos ou picadas. De todas formas, tenha em conta que nem todas as pessoas que apresentam esses sintomas sofrem de alergia. Redobra suas suspeitas se são intensos, frequentes e duradouros, ou se você notar uma relação clara entre tocar, respirar ou comer alguma substância suspeita e o aparecimento dos sintomas.

Quais testes ma vai asometer?

Certamente, uma em pele (testes cutâneos por picada) com diversos alérgenos, para descobrir qual deles você está amargurando a vida. Também é provável que seu especialista te pedir um exame de sangue para conhecer sua predisposição a ter alergias (que costuma ser hereditária). Se os resultados não acabam de convencer, é possível que se submeta a testes de exposição, provocação ou tolerância. Tranquilo: todas são absolutamente indoloras (apesar de um pouco chato).

Os medicamentos influenciam as provas?

Pois sim. Alguns medicamentos podem alterarlas, começando pelos anti-histamínicos, que são usados para combater a constipação, prurido, insomnios, sintomas… e alergias. Para evitar resultados errôneos, quando você submeter-se às provas não se esqueça de dizer a seu alérgolo todos os medicamentos que você está tomando neste momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *